quinta-feira, 10 de novembro de 2011

REVOLTA

Muitas coisas me deixam triste e revoltada,mas o que eu vi sábado em Aparecida Do Norte me deixou emocionalmente abalada.
Chegamos na cidade por volta de seis da manhã e,em frente ao hotel que ficamos,hotel este que fica bem em frente ao portão principal da entrada da Basílica de Aparecida,havia uma fila enorme de charretes ,destas que levam as pessoas preguiçosas fazerem visitas  com menos esforço e pagando menos tambem.
Fiquei indignada ao ver os animais atrelados ,esperando que alguem viesse dar uma "voltinha" sobre eles!
O dia foi passando e o calor foi aumentando. O sol era de brasa!
O asfalto parecia que ia derreter. Meio dia e os cavalos lá,amarrados em suas charretes...Não vimos água perto deles!
Tres horas da tarde e os mesmos animais ,todos(todos) de cabeça baixa ,com os joelhos semi dobrados à espera de turistas...
O que mais me doía era ver que eles levantavam uma perna para descansar e,assim iam revezando as perninhas para aliviar o cansaço..
Havia um com uma atadura na perna. Estava machucado e trabalhando
no sol quente.!
Fico pensando,como pode isso acontecer ainda? Onde está o Estatuto que protege os animais? Será que este estatuto só serve para as baleias e as tartarugas? Não que eu ache que elas não precisem de proteção..mas ,e os animais que vivem perto de nós? Quem protege?
Minha revolta é maior ainda por saber que estávamos em uma cidade Santa...como pode ser chamada de Santa se deixam seus animais
castigados assim?
Um morador de lá me relatou que já viu QUATRO cavalos morrerem enfartados pelo sol e pelo cansaço!
Tenho tudo isso filmado ,inclusive o depoimento deste morador..
Pedi que Nossa Senhora olhasse por aqueles animais ,que amenizasse o sofrimento deles,abreviando-lhes a vida.
Esta imagem não me sai da mente: A humildade daqueles cavalos ,submissos ,sem queixas ,sem lágrimas, resignados .
Saímos da cidade por volta de sete horas da noite e eles continuavam lá,atrelados em suas charretes e em sua dor!