segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

MEU PRIMO E EU ( VIRAMOS NOTÍCIA)

      Meu pai tinha dois caminhoes FORD  que nós chamávamos de 'fordinho'. Um fordinho azul e um branco.Esses caminhões eram de carregar toras,que meu pai comprava nos matos(era assim que eu ouvia meu pai falar) e eram exportadas depois nos trens;
O pai do meu primo trabalhava com o fordinho branco . Ele saia prá buscar essas toras e ficava uma semana fora.
     Sempre que o pai do meu primo chegava de viagem,não importava a hora, nós ,meu primo e eu, íamos brincar de dirigir lá na garagem,onde ficavam guardados os fordinhos..
Esta garagem ficava no quintal de outra casa que meu pai alugava pro motorista do fordinho azul..
A garagem fazia fundos com minha casa e lateral com a casa do meu primo.
   Neste dia  o pai do meu primo chegou de madrugada ,guardou o caminhão na garagem e foi dormir.
Quando ouvimos o caminhão chegar, levantamos e fomos ,só nós dois ,brincar de  motorista .O caminhão estava quentinho ainda !
O dia estava amanhecendo .Todo mundo dormia ! E nós lá .Ele de motorista e eu de ajudante!
Ele girava o volante e fazia vrruuummm com a boca ,imitando o ronco do caminhão e eu ,do lado dele ,pulava no banco como se estivesse passando por uma estrada toda esburacada! Tínhamos 6 anos apenas!!
Nossa!!   Aquele cheiro do caminhão recem chegado,cheiro de terra com gasolinma queimada...Era um perfume prá mim!
   Não me lembro do caminhão começando a andar.Não sei onde meu primo mexeu ,ou eu mexi. O fato é que o fordinho começou a andar ...O terreno da garagem era quase plano mas mesmo assim , o caminhão saiu da garagem devagarinho e andou uns vinte metros..
   A casa da garagem tinha um poço no quintal.    Isso mesmo. Um poço com 19 metros de profundidade!
Esse poço ficava do lado da saída por onde os caminhões passavam!
      O CAMINHÃO BATEU NO CAIXOTE DO POÇO  ,(uma armaçao de madeira que se faziam em cima dos poços) QUE SE ESPATIFOU!! A roda da frente do caminhão ficou entalada dentro do poço!
Como o caminhão ficou tombado , a porta do lado do meu primo se abriu .Eu me lembro dele agarrado na minha roupa e eu agarrada na minha porta  prá não cair junto com ele!!
   Fizemos uma gritaria danada!!
O pai dele ,não sei se ouviu nossos gritos ou se ouviu o barulho da batida,abriu a janela do quarto e deu de cara com aquela cena!
Ele pulou a janela e a cerca em um só pulo! Abriu a porta do meu lado,me jogou lá perto da cerca.Fez a mesma coisa com meu primo.
O pai dele,branco,termendo,olhou bem prá nós dois,sentou-se no meio da gente no chão e pimba!!                 DESMAIOU!
Neste dia viramos notícia.
A polícia foi lá registrar o ocorrido  . Juntou um monte de curiosos em volta da gente!
Nossa cidade não tinha emissora de rádio ,então a cidade vizinha noticiou nossa proeza!
Não me lembro se levamos bronca ou não. Acho que não, porque  continuamos a brincar no caminhão do mesmo jeito! Motorista e ajudante!!     



                                      continua...........

sábado, 29 de janeiro de 2011

MEU PRIMO E EU ( PUXAR CADEIRAS,NUNCA MAIS!! )

              Era dia de festa na minha cidade!
         Arapongas estava fazendo dez anos de emancipação política e nós,meu primo e eu,estávamos com sete!!
Durante o dia o comentário lá de casa era somente a festa que iria ter à noite. Barracas e mais barracas de comida ,de danças típicas,essas coisas que toda festa de cidade pequena costumava ter.
          Meus tios de Cianorte estavam em casa .Não me lembro certo quem estava ou não. Sei que tinha parentes,além da minha tia portuguesa e o neto dela, meu primo.
Como sempre,a família toda reunida lá dentro de casa e nós,meu primo e eu ,na varanda brincando sozinhos.
         A brincadeira do dia eu nao me lembro.
Minha casa tinha uma varanda de madeira bem alta ,mais de dois metros de altura!!Tinha um ''cercado''em volta que nós chamávamos de Pau -da-varanda,onde ficávamos sentados ,conversando ou brincando.
Este Pau-da-varanda tambem era alto prá nós.A gente ficava com as perninhas balançando,não alcançávamos o chão!
         Não sei porque,neste dia tinha uma cadeira na varanda onde meu primo sentava-se e levanta-se a toda hora! Eu,sentada no Pau-da-varanda,via aquela cena. Senta e levanta. Senta e levanta!
Não resiti.

               Quando ele foi sentar-se de costas.........TIREI A CADEIRA  E ELE BATEU COM A BUNDA NO CHÃO!!!  

Fiquei com a cadeira erguida prá me defender dele.,sentada ainda no Pau-da-varanda.
Não sei quem foi que deixou um guarda-chuva por perto(nem tava chovendo!).Meu primo pegou o tal guarda-chuva e veio prá me furar!!Levantei a cadeira prá me defender!Perdi o equilíbrio......não deu outra...
       
               CAÍ DE COSTAS LÁ DO ALTO DA VARANDA!!!

Sujei todo meu vestidinho de festa!!Doeu muito mesmo!!
Não chorei! Eu nunca chorava!  Se eu chorasse todo mundo ia saber !!
       Meu primo correu prá dentro e fingiu que nada tinha acontecido!
Eu escondi o máximo que eu pude o meu vestido sujo!
A turma lá de casa nem percebeu nossa cara emburrada,aliás ,ninguem notava nada ,ou disfarçavam bem.
Fomos na festa mesmo assim.
Sentados um de frente pro outro,sem abrir a boca prá nada,acabamos cochilando debruçados na mesa.
         Demorei prá voltar a sentar no PAU-DA-VARANDA!!!




                                     continua.............

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

MEU PRIMO E EU ( RODA-PNEU)

            Uma brincadeira que gostávamos de fazer era rodar dentro de pneu!!Isso mesmo. Rodar dentro de pneu não era prá qualquer um ...Tinha que ser muito corajoso mesmo!Tinha que ter muita força e equilíbrio tambem!
            Era assim: Um de nós segurava o pneu em pé e o outro sentava dentro do pneu ,com as pernas encolhidas prá não ''ralar' no chão! Ficávamos em forma de círculo dentro do pneu.O corpo doía todo mas não tinha a menor importância. As mãos ardiam prá segurar o pneu ,sem deixar nada de fora,nem o dedinho,senão era ralada na certa!
            Já na posição certa ,dentro do pneu,o outro empurrava ,dando início à uma corrida muito louca!!
Sempre procurávamos descidas ,prá não precisar de ajuda na corrida .Era só o primeiro empurrão e lá íamos nós sozinhos ladeira abaixo!
          Empurrei meu primo ,que gritava sem parar,porque eu tinha dado muita força na saída.
Chegou minha vez!
           Entrei no pneu. Me ajeitei toda! Vestidinho prá dentro prá não atrapalhar na corrida. Pode ir!!!
 Meu primo,acho que prá se vingar de mim,além de me empurrar com toda força ,foi dando tapa no pneu prá pegar mais velocidade!! EU GRITAVA E ELE RIA!!
          Quando terminou a descida da rua, mais de cem metros depois ,eu nem conseguia sair de dentro do pneu ,de tanto que eu vomitava ..Minha cabeça rodava,rodava...
         Tinha um detalhe a brincadeira: Quem ia dentro do pneu,tinha que trazê-lo de volta pro outro depois.
         Como eu não coseguia nem me manter de pé de tanta tontura e vômito,meu primo teve que trazer prá mim!      Me senti um pouco vingada!!.




                                  continua...........

MEU PRIMO E EU (VÔMITO HISTÓRICO)

       Outra vez,nesse mesmo lugar da gangorra,fomos brincar de caminhoneiros !
Brincamos um tempão de faz-de-conta que ele era motorista e eu o ajudante( nota-se,eu não era A ajudante) e nessas brincadeiras o caminhão chegava sem gasolina e tinha que abastecer... Claro que isso não ia acabar bem!
      Pegamos um pedaço de mangueira( já tínhamos visto os motoristas do meu pai fazerem isso por várias vezes)prá ''chupar'' a gasolina.
      Chupávamos com força a mangueira e deixávamos a gasolina escorrer no chão.
 Primeiro eu ,depois meu primo. 
      De novo eu me pergunto ;Qual era o motivo de tanta gasolina no quintal?! Será que era racionamento na época? Ou tinha muita inflação de combustível? Penso mesmo que era comodismo abastecer em casa sem precisar ir de madrugada no posto,ou o posto não funcionava de madrugada? Não vem ao caso agora.
      Peguei a mangueira de novo ,dei um chupão  e escorreu aquele monte de gasolina no chão.Passei a mangueira pro meu primo ,com cara de que sou bem melhor que voce,falei é tua vez!
     Meu primo,encheu os pulmões de ar, deu uma chupadona e ENGOLIU UM MONTE DE GASOLINA!!
Ele não soube tirar a boca na hora certa .
Ficou roxo!  Tossiu ,tossiu...
Sentou-se no chão e vomitou um monte!! Passou muito mal!!
                 E mais uma vez não contamos nada prá ninguem!!É claro!!



                             continua..............

MEU PRIMO E EU ( A GANGORRA )

   Essa foi de dar dó mesmo!
   Atrás da garagem do meu pai tinha um espaço enorme,cheio de tambores de gasolina  (todos cheios de gosolina).  Eu me pergunto até hoje por que que meu pai guardava tanta gasolina no quintal? Será que ele não via o perigo que isso representava ?? Sei lá...
   Neste espaço vazio,perto dos tambores,um empregado do meu pai contruiu prá nós uma gangorra.Não era dessas gangorras que sobem e descem.iguais as que têm nos parquinhos.  Era de girar.
   Era assim: Tinha uma tora mais ou menos de um metro de altura que ficava com a metade dela enterrada na terra prá não tombar.Em cima dessa tora parafusava-se uma tábua de tres metros de comprimento .O parafuso era enorme , de caminhão!
   A brincadeira era assim:
    Sentava um de cada lado dessa tábua e o terceiro girava a tábua até ela pegar embalo.Quando tava já em alta velocidade , o menino que girava a tábua saia do meio dela correndo e os dois continuavam no embalo da gangorra.A gente vomitava muito ,mas era gostoso demais!!
   Nesse dia ,meu irmão e eu sentamos um de cada lado da tábua e meu primo foi empurrar prá nós.
Tudo estava certo mas o empregado do meu pai ,este que fez a gangorra,resolveu ajudar meu primo a girar a tábua,só que ele era muito mais forte e veloz que meu primo,é claro,e quando estávamos rodando em alta velocidade,que nós tínhamos que nos agarrar com força na tábua prá não voar longe,o homem saiu do meio e deixou meu primo sozinho . Tadinho!!   Ele não conseguia acompanhar a velocidade da gangorra e nem sair do meio dela!!
   Nós gritávamos desesperados prá ele sair mas ele não saia. Corria quase sem por os pés no chão,desiquilibrado! 
A TÁBUA BATEU COM MUITA FORÇA NAS COSTAS DELE,DERRUBANDO-O NO CHÃO!!
Ele ficou lá deitado,embaixo de nós, sem se mexer!
Quando perdemos a velocidade,colocamos os pés no chão e paramos a tábua.
Meu primo continuava lá . Deitado. Imóvel. Acho que aquilo era desmaio . Pensamos que ele tivesse morrido! Pálido!
   Quando ele acordou ,combinamos de não contar nada prá ninguem,pois seríamos proibidos de brincar na gangorra de novo!!   E assim fizemos!!





          continua.............

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

MEU PRIMO E EU ( A VALETA )

                                                 
   

Minha tia não lavava roupa na ''vasca''igual minha mãe. Ela lavava em uma tábua comprida que parecia um escorregador,que por muitas vezes ,quando ela não estava por perto ,virava escorregador mesmo! Enquanto um escorregava. o outro ficava vigiando prá ver se ela estava vindo.
Gostava de pegar aquela espuma branquinha que juntava no pé da tábua.O cheiro dessa espuma ainda é vivo no meu nariz!
Um dia,quando tínhamos já seis ou sete anos,estávamos brincando com essa espuma e,não me lembro por que,começamos a brigar e fazer guerra de lama um no outro .Tinha chovido e tinha muito barro no nosso quintal,dava até prá patinar !!
  Em frente a nossa casa ia passar rede de esgoto e fizeram uma valeta enorme ,bem mais alta que a gente!
 Quando um pulava lá dentro ,o outro tinha que ajudar prá sair.
 Como havia chovido muito ,a valeta estava até na metade de agua barrenta.
 Na nossa empolgação da briga,juro que não me lembro o motivo,meu primo me xingou .
Não foi um xingamento comum,não.Foi de FILHA-DE-UMA-PUTA!!
 Eu não podia  aceitar aquilo! Xingar os colegas de FÊDAPUTA era normal! Vá lá.Todos nós xingávamos!
  Mas assim tão declarado ,tão nítido,era demais prá mim!!
  Eu já sabia  que puta eram aquelas mulheres bem arrumadas e maquiadas que passavam na nossa rua ,de charrete toda enfeitada e que nós corríamos atrás prá fazer farra.Como eu podia admitir tal palavrão??
Por que ele não falou fedaputa igual todos os meninos falavam?
  Corri atrás dele e empurrei ele dentro da VALETA!
 No meio daquela lama toda.No meio daquele barro todo. Ele ficou só com a cabeça e os braços de fora,prá cima!!
  Fiquei apavorada! Não ia conseguir tirá-lo de lá sozinha e nem podia chamar ajuda porque eu iria apanhar na certa!
  Saí correndo e fui me esconder atrás da casa dele enquanto ele ficou na valeta berrando.
  Como eu disse , minha tia via tudo ! Ela me viu escondida e logo imaginou que eu tinha aprontado com o rico menino dela.
 Não sei quem tirou ele da valeta.Talvez tenha sido a avó dele mesmo.Nunca fiquei sabendo.Fiquei amoitada o resto do dia prá não apanhar.  Até hoje não sei se alguem ia me bater ou se ignoraram o fato!
Só sei que depois daquele dia ,ele sempre freava a boca na hora que ia me xingar de FILHA-DE.....





                     continua...........

MEU PRIMO E EU ( BRIGAS E BRINCADEIRAS )

                                                



 Nós nos tornamos uma dupla inseparável,embora meu irmão ,um ano mais velho que nós ,partcipasse das brincadeiras tambem,mas as  que mais me marcaram ,sempre estávamos sozinhos!
 Fizemos tantas brincadeiras e brigas juntos !!Vejo cada dia desse como se fosse agora ,como se o tempo tivesse parado só prá mim,só na minha cabeça!Chego a sentir o cheiro do nosso quintal, da nossa rua sem asfalto ainda.  Meu peito chega a doer de tanto que eu me encolho nessa hora e viro aquela menina de quatro anos de novo! Vejo e sinto tudo de novo!
Escuto a voz da minha tia chamando meu primo ou me dando bronca por eu ter batido no neto dela.
 Apesar de eu ser só tres meses mais velha que meu primo ,eu era bem mais forte que ele e,ele, por sua vez ,tinha a boca bem mais suja que a minha,por isso sempre apanhava de mim!
 Minha tia chamava ele de MEU RICO MENINO e eu era o DIABO DO INFERNO!!
                     

                                                coninua............

MEU PRIMO E EU ( A TORTURA )

                                                                
             
      Na semana da chegada deles,a mãe do meu priminho ,resolveu lavar a cabeça dele numa bacia,em cima de um tanque ,que ficava na porta da cozinha da minha casa. Não sei porque este tanque tinha o nome de VASCA .Acho que era coisa de portugues .Bem ,mas agora deixa prá lá...
Meu priminho fez uma birra danada prá não lavar a cabeça! Precisou um monte de gente prá segurá-lo!
  Não achei graça,não. Fiquei morrendo de dó!  Ele gritava apavorado!Coitadinho! Até hoje não entendi porque lavaram a cabeça dele daquela forma e naquele lugar. Na bacia,perto de todo mundo!
  Lembro-me dos olhos dele arregalados e vermelhos por causa do sabonete.Queria ajudar mas só fiquei olhando e pensando:-QUE HORA VAI ACABAR ESSA TORTURA??!!
                             
                                              
                                        continua............

MEU PRIMO E EU ( A CHEGADA )

                                                       A CHEGADA


   Eu tinha quatro anos quando houve um reboliço lá em casa. A irmã do meu pai ia chegar de Portugal com toda sua família.Pensa bem na agitação que estava lá em casa.
   O que mais eu ouvia era que meu pai ia buscá-los na estaçao de trem e que, portanto ,eles iam chegar de trem .(não era assim que voces pensariam se tivessem quatro anos?)  Pois bem. Neste dia eu fiquei a tarde toda sentada no portão esperando o tal trem chegar. Só tinha um pequeno detalhe: A estação ferroviária ficava há mais de um quilômetro da minha casa,mas como eu nunca falava prá ninguem sobre minhas dúvidas ,ninguem percebeu o que eu esperava ali sentada.
   O tempo passou e só a tardezinha o caminhão do meu pai ,e não o trem, parou no portão de casa trazendo minha tia portuguesa com a familia inteira.
   Lembro-me das malas grandes,parecidos com baús de pirata,de madeira mas revestidos de lata colorida,que desciam do caminhão.
   Achei minha tia meio esquisita. Era gorda e usava roupas muito compridas.Não me recordo do filho dela nem da nora na hora da chegada.
 FIQUEI ENCANTADA COM O NETINHO DELA!!!!
  Um menino da minha idade ! Achei ele lindo.! Diferente dos meninos que eu conhecia.Ele usava terno!!Isso mesmo.Usava paletó e calças até o joelho!Uma gracinha!!Não sei o que eu pensava das roupas dele ,pois eu nem sabia que aqueles trajes era um terno!Mas era bonitinho!
   Lembro-me da minha tia ,deitada na cama das minha irmãs, com os pés prá cima, exclamando num suspiro:  -Isto aqui é um calor!! Já grande ,fui entender que eles saíram de Portugal em pleno inverno e chegaram aqui no Brasil em pleno verão de janeiro.
  No dia seguinte da chegada deles foi um festival de ''ver coisas''.Eles troxeram bastante coisas diferentes.Lenços enormes de cabeça.Todos coloridos.Litros e mais litros de azeite. Eu achava aquilo tudo muito sem utilidade,mas meu pai e minha mãe pareciam que estavam gostando,sei lá.
  Quando meu priminho levantou de manhã, achei ele diferente.Comentei com minha mãe.( Meu Deus, como essa imagem é tão viva na minha cabeça,após 56 anos!)
 -MÃE,ONTEM O PRIMO ERA QUADRADO . POR QUE HOJE ELE TÁ COMPRIDO??!!
  Sabem o que era? Ele estava sem o paletozinho de ombreiras ,mas como ninguem entendia o que eu estava querendo dizer,ninguem me explicou nada. Só fui saber o por quê quando cresci e cheguei a conclusão que o terninho com ombreiras deixava ele quadradinho!
  Fizemos amizade logo,embora eu não entendesse nada do que ele falava,aliás, todos eles falavam diferente.
  Meu pai tambem falava esquisito mas com ele eu já estava acostumada e entendia tudo ou quase tudo.
  Eu tinha medo da minha tia ,que era avó dele,irmã do meu pai.Ela estava sempre vigiando a gente.....
                                                                          

OBS- este não é o terninho da chegada!!

                                                                                                                                     continua..........

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

HOJE É DIA DE COMEÇAR...

  Demorei tanto tempo pensando como começar meu blog. Não cheguei a nenhuma conclusão. Por isso resolvi começar sem começar mesmo!
 Tenho tanta coisa na minha cabeça mas as palavras se atropelam na saída e ficam entaladas .
  Penso: vou escrever isto! Mas logo desisto! Isto não! Me parece falso,sei lá. Parece que não sou eu ,daí eu deixo prá lá mais uma vez e penso de novo : Amanhã eu começo!
 Sendo assim,até amanhã ,então!